OS CAVALEIROS DA PROCISSÃO

Conheçam os cosplayers oficiais do evento. Muitos são cosmakers, artesãos e ilustradores que, voluntariamente, dedicam seu tempo na construção do evento. Ora trazendo atrações e novidades, ora sendo a própria atração. Quer fazer parte desse grupo? Entre em contato pelas nossas redes sociais.

CARLOS KROETZ

RAFAEL AMORIM

PATI KOLBERG

ÍTALO HABEKOST

GUGA ANDRADE

EDUARDO DALLA COSTA
GUSTAVO DALLA COSTA

BIBI DALLA COSTA

DANI NEJELISKI

ANINHA DE LARA

 RAFAEL AMORIM “CHEFE BALA”

“Meu nome é Rafael Amorim, minha profissão é o que se chama de artista comercial. Trabalho há 30 anos na área da comunicação como diretor de arte, diretor de criação e ilustrador. Também sou editor de vídeo, o vídeomaker e animador de desenhos animados. Bem como autor de HQs o que me leva a um universo pop todo cheio de diversidade artística. Uma das artes a qual tive contato nos últimos anos é do cosplay. Aos meus 20 anos eu fiz de fato meu primeiro cosplay, Rockteer. Em 1999 após a estréia do filme Ameaça Fantasma fiz meu segundo cosplay, Jedi. Desta vez aconteceu uma JediCom na cidade de Porto Alegre e então o universo começou a se expandir. O barato era ir para a estréia dos filmes com o cosplay e, quando tinha, as JediCom. Em 2010 finalmente encontrei um fabricante exclusivo das armaduras de Stormtrooper sendo que usei publicamente apenas na Procissão das Criaturas de 2017 e na estréia do filme Rogue One. Mas foi o meu filho que me fez me tornar uma espécie de cosmaker e produzi inúmeros cosplays para ele como a armadura do Homem de Ferro, Armadura do Trooper Captain Rex, Homem-Aranha, Flash…e por aí vai. Uma outra coisa que me interessou foi a customização de peças compradas em loja mas sem aparência real. Isso me aproximou de outros artistas na área e transformar os “props” em algo que se pareça mais com os reais, dos filmes e games.

PATI KOLBERG

Olá! Me chamo Patricia Andréa Kolberg, mas pode me chamar de Pati, tenho 25 anos e sou formada em Superior de Tecnologia em Fotografia pela UNISC. Sempre gostei muito de filmes, séries, quadrinhos, videogames…do universo geek em geral. A minha paixão pelo cosplay surgiu depois de uma festa à fantasia que participei em 2016, quando resolvi criar o meu primeiro cosplay, da personagem Arlequina (Harley Quinn) versão do filme Esquadrão Suicida. Com esse mesmo cosplay obtive 2º lugar em 2017 na Batalha Cosplay da Procissão das Criaturas – o que com certeza me estimulou a entrar de vez no universo cosplay.
De lá para cá o meu amor por essa arte só cresceu, já fiz cosplays de diversos personagens. No ano de 2019, tive a felicidade de ficar em 1º lugar no Concurso Cosplay da Procissão das Criaturas, com a personagem Astrid do filme “Como Treinar o seu Dragão”. A criação deste cosplay exigiu muito trabalho e dedicação, tanto na confecção da roupa/acessórios, quanto na preparação para a apresentação de palco. Isso tudo tornou ainda mais especial esta conquista.
Para mim, ser cosplayer é se entregar ao personagem, representá-lo da forma mais parecida possível desde suas vestimentas até seus gestos e ações – além, claro, de se divertir muito! O mais bacana da experiência de se envolver com o universo cosplay é o que gera de tudo isso: a interação das pessoas que pedem para tirar fotos e elogiam o teu trabalho. É gratificante demais, isso não tem preço!

ÍTALO HABEKOST

“Sou Ítalo, 22 anos, e sou cosmaker e cosplayer não pro-fissional há 3 anos, iniciei nesse universo pois sempre fui apaixonado por games, séries e RPG de mesa. Fazer cosplay foi a minha maneira de trazer os meus heróis à vida e, em um futuro próximo, trazer os heróis do meu filho à vida. No ano de 2018 fiquei em 1º lugar no concurso de cosplay da Procissão das Criaturas, o que me motivou mais ainda em continuar inserido nesse meio. Atualmente confecciono armas e armaduras em madeira e E.V.A. para cosplay, LARP e para decoração”.

PEDRO ANDRADE “Guga”

” Desde criança Pedro Andrade ou “Guga” precisou interromper os seus estudos para ir à escola. Sonhava em ser um astronauta quando crescesse. Mas como nunca aprendeu matemática direito, as ciências aeroespaciais foram literalmente pro espaço. Gosta de brincar com MIDI e não vive sem música. Seu sossego é inexistente e curte coisas toscas. Adora fazer vídeos que façam as pessoas rirem. Curte brócolis e fica muito feliz ao ver ideias maneiras tomarem forma. Para Guga, o cosplay é uma ótima forma de espalhar a sua energia para a galera e a Procissão das Criaturas é um dos eventos mais maneiros que tem na cidade. Por isso, vai fazer de tudo para que a Procissão cresça cada vez mais!”

ANINHA DE LARA

Sou uma apaixonada pela arte de contar boas histórias, admiro a noite, a lua e as estrelas. Costumo levar a imaginação por onde quer que eu vá. Assim me entendia desde sempre, até que a minha filha, que hoje tem 9 anos, me fez ir além e juntas visitamos o universo oriental. A simpatia me levou a conhecer a Procissão das Criaturas e hoje faço parte da organização do evento, o que me enche de orgulho. Ao visitar a Feira Medieval, escolhi o meu primeiro cosplay. Espero que seja o primeiro de muitos.

GUSTAVO DALLA COSTA

Oi, eu sou o Gustavo Dalla Costa! Sou formado em Cinema e Animação e dou suporte ao evento com as produções de vídeo.
O interesse pela Procissão foi natural pois sou fã de literatura fantástica, animes, RPG, jogos e filmes. O evento me motivou a montar um cosplay, mesmo sem nenhuma experiência e de maneira improvisada, algo que nunca havia pensado em fazer e me divertiu bastante. Para meu primeiro cosplay, escolhi um papel de Clint Eastwood no filme “The Good, the Bad and the Ugly” ou na curiosa versão de Portugal “O Bom, o Mau e o Vilão”, um clássico de Sergio Leoni cheio de assovios e olhares ameaçadores.
Ver o entusiasmo das pessoas ao vivo ou rever durante a edição de vídeo me faz querer participar de novas edições da Procissão, expandir com novas ideias e fortalecer a cultura pop neste evento único do sul do Brasil.

EDUARDO DALLA COSTA

Meu envolvimento com cultura começou lá nos anos 90, produzindo vídeos e atuando como personagem na disciplina de Literatura. Os alunos que participavam ganhavam nota assim ao invés de fazer provas. A gente tinha uma profe muito visionária. Depois, participei em grupos de dança de folclore alemão, coordenei um grupo de folclore italiano, além de participar de cursos de cultura e vestimenta do séc. IX. Agora me dei conta de que meu interesse pelo que viria a ser um cosplay já iniciava por aí. Lembro que na faculdade de comunicação, quando tinha oportunidade, usava o cosplay como forma de interação. Já fui de Papai Noel, gaudério e até de Isaac Newton para promover as campanhas internas da faculdade. Em 2013, a pedido da filha de uma amiga, eu criei a minha versão de espantalho para participar do halloween. Foi muito divertido ver a reação das crianças. Até que, em 2014, começou a se desenhar um evento que hoje conhecemos por Procissão das Criaturas. Daí então, entrou na minha vida o cosplay do kakashi, da série Naruto, e Baldwin IV, Rei de Jerusalém em 1174. O mais doido foi que, até eu começar a escrever sobre meu envolvimento com a cultura, não achava que ela fazia tanto parte de mim. A Procissão fez com que eu me aproximasse ainda mais da minha família. Hoje temos a Dalla Costa Brothers como resultado dessa união pela cultura, diversão e integração das famílias.

DANI NEJELISKI

“Sou Aline Lewis, 22 anos, e comecei a atuar como cosmaker e cosplayer a pouco mais de um ano por querer confeccionar uma armadura de um personagem que eu me identificava. Sempre tive facilidade com habilidades manuais e me apaixonei pelo desafio de trazer o personagem para o mundo real. O primeiro cosplay que fiz foi a Leona Valquíria do League of Legends, no qual aprendi muito na confecção da armadura, desde como modelar e.v.a. até que tipo de tinta usar para deixar o mais real possível. Competi em um concurso com ela e acabei ganhando 3° lugar, o que me incentivou ainda mais a fazer o que amo. Ser cosplay é ser quem você quiser ser, independentemente de qualquer pré-conceitos que existam na sociedade e isso é libertador. Será minha primeira vez participando da Procissão e estou muito empolgada para conhecer ainda mais pessoas e aprender cada vez mais sobre esse mundo mágico de fantasias.”

BIBI DALLA COSTA

Oi gente, meu nome é Bianca Dalla Costa. Eu sou estudante mas sempre fui apaixonada por arte. Fiz teatro e dança durante alguns anos e foi daí que veio meu interesse por cosplay.
Considero cosplayers os artistas mais completos, tem que entrar no personagem, ter uma linguagem cênica e alguns inclusive imitam as vozes do personagem e é isso que faz o cosplay único. Meu primeiro cosplay foi bem recente, na Procissão de 2019 fiz cosplay de Rapunzel e a repercussão foi incrível. Ver as crianças encantadas e o público interessado em conhecer mais do teu cosplay é completamente gratificante.

CARLOS KROETZ

Meu nome é Carlos Kroetz, tenho 23 anos e sou estudante do último semestre de engenharia mecânica. Acredito que meu apreço pelo universo geek começou cedo, com quadrinhos, games, animações e filmes.
Faço cosplay desde 2016 quando comecei com o personagem do Motoqueiro Fantasma, no qual participei durante 3 anos na Procissão das Criaturas com esse cosplay, utilizando até minha moto para incrementar nos desfiles do evento. Porém, na edição de 2019 decidi começar a fazer outros personagens, como o “Soluço da saga Como Treinar o Seu Dragão”.
Estou sempre trabalhando em novas ideias e novos cosplays, com a perspectiva de sempre melhorar minha performance e contribuir para o crescimento do evento.

PATROCÍNIO

APOIO

REALIZAÇÃO / AUDIOVISUAL

APOIO CULTURAL

© Copyright - Eduardo Dalla Costa
Desenvolvido e mantido por Gazeta Grupo de Comunicações